10.10.06

you can look, but you can't touch [i don't think i like you much]

eu estava lá sentadinha no ônibus, com a mochila no colo e olhando pela janela embalada pelos fonezinhos. meu caminho era semi-longo e três pessoas diferentes sentaram do meu lado, sendo a última delas um idiota que tentou me bolinar.

explico. primeiro ele esbarrou a mão na minha, quando se virou teoricamente para ver a placa da rua em que a gente estava passando e meu braço estava esparramado em cima da mochila. oquei, acontece. o braço dele retornou ao lugar de origem & eu fiquei lá bombando um of montreal. aí senti uma certa pressão contra a minha coxa e dei uma mexidinha mais pra perto da parede, afinal, todo mundo sabe que bancos de ônibus não são exatamente as coisas mais espaçosas da face da terra. dei uma olhada feia pra baixo e vi que não era a perna, mas a mão do sujeito. ele pediu desculpas e eu virei pra janela de novo.

seguindo esse incidente, o braço do sujeito retornou uma vez mais ao lugar de origem e ele tentou puxar assunto comigo. fiquei lá ignorandinho e escavei uma barra de cereal da mochila. convenhamos, que tipo de mané tenta conversar com desconhecidos usando fones de ouvido no ônibus? ainda mais pra pedir o meu telefone? e aí foi o cúmulo, porque o tapado pegou e encostou de novo a mão na minha perna, por baixo da mochila. sério, não é possível que tenha sido por acaso. apertei a barra de cereal até as juntas dos meus dedos ficarem brancas e perguntei, alto o suficiente pra todo mundo em volta ouvir, 'dá pro senhor tirar a mão de mim?'.

não sei a que tipo de reação ele estava acostumado, mas não dá pra acreditar que tem gente que acha que isso vai dar algum resultado bom. decerto muita mulher aguenta quieta esse tipo de idiotice, por vergonha de fazer escândalo ou de não 'ser nada', ou por medo, sei lá. o sujeito levantou num pulo e praticamente se jogou pela porta aberta pra fora do ônibus. obviamente temia minha fúria ninja, o que seria o próximo passo caso ele insistisse.

é ridículo ter que aguentar esse tipo de coisa. não sei se o pior são os bolinadores ou os defensores, dizendo que, duh, é claro que se mexeram com você, é porque você tava provocando, né. mesmo se eu estivesse de microvestido com metade dos peitos de fora isso não dava a ninguém o direito de encostar um dedo em mim, e, no fim das contas, nem sei se isso faz diferença. acho que pra esse tipo de maníaco você pode muito bem estar usando o moletom roxo da sua avó, polainas floridas & mais três blusas de lã que ele vai continuar torrando se desconfiar que existe um par de peitos e de coxas ali por baixo.

e o pior é que eu tenho certeza de que esse não é nem meu primeiro nem segundo post em relação a isso. ghrr.

No comments: