29.11.05

twist and shout

ou notas (senti)mentais sobre o claro que é rock.


- vomitar num copinho utilizando seu cabelo como cortina de proteção & privacidade é uma ótima técnica para evitar sair de um Lugar Bom em uma multidão que não pensaria duas vezes em expelir uma pobre garota verde de junto da grade.

- misériamisériamisériamisériamiséria & fome. das bandinhas desconhecidas, as mais simpáticas foram a spiegel e a moptop. a spiegel porque ri até doer as costelas, deitada na grama. a moptop porque pude dançar com os amiguinhos, apesar de desejar fervorosamente que as obras fossem apenas instrumentais.

- encontrei a Pitty quando estava na fila pra comprar água (incluindo o copinho que foi vomitado posteriormente). ela era pequena. se eu gostasse das músicas trouxinhas dela, tinha aproveitado pra tirar foto, porque ela parecia extremamente acessível.

- scaramouche scaramouche, will you do the FAN-DAN-GO?

- me arrependo amargamente de não ter ido pro palco do flaming lips, porque parecia über-divertido. e, no fim das contas, nem adiantou ficar guardando lugar bom pra ver o iggypope: faltando cinco minutos pra começar o show dele, eu saí correndo pra respirar & arranjar água - temendo pela minha integridade física.

- passing stranger! menina/o lindo/a de terno, não importa qual o seu sexo, saiba que meu coraçãozinho batia melandinho sempre que você estava por perto :-*

- fiquei um bocado transtornada & frustrada quando vi pelos telões (deitada na grama, de muito-muito longe do palco), as menininhas todas iguaizinhas gamadas pelo goodcharlote mordendo as mãos umas das outras pra pegar sabe-deus-o-que eles tinham jogado. pff.

- acho que, também por isso, mesmo que o pandeiro & as baquetas & os nacos de guitarra do NIN tivessem caído por perto, nem ia rolar pegar.

- apesar de ter me divertido deveras com os amiguinhos, tive um Intenso Prazer Mórbido quando a gente se perdeu e acabei por passar a noite sozinha, gritando indecências junto a dezenas de milhares de desconhecidos.

- quero um filminho do iggypope rebolando de quatro & latindo.

- além da empolgação sobrenatural que me forçou a gritar/cantar/pular/dançar/etc. loucamente no show do NIN (depois de ter ficado dez horas rondando pelo barro & desidratando & o escambau até o Grande Momento em que começou wish comigo láááá na frente), também fiquei chorandinho na parte devagar de withteeth e em hurt, bouhouhou. roquemrou também é sentimentalidade :~

- e tá, eu assumo, meus olhos também ficaram mareados no karaoke-mor de bohemian rhapsody, na parte do 'nothing really matters to me'. (mas que delicada que sou.)

- roquemrouroquemrouroquemrou. queria ter tirado mais fotos, visto que estava em um local estratégico & junto ao palco, mas era difícil me concentrar em manipular a máquina quando a bateria reverbera assim, no seu dentro.

- quando estava revirando a lama em busca dos pertences perdidos do jack, um sujeito surgiu do nada e me disse "oi você". achei que só falavam isso em filme da sessão da tarde :D. o solipsista aproveitou o embalo pra também surgir do nada e recordar o maníaco que me perguntou "quer conhecer eu?", na fnac. acredito ter um magnetismo animal que atrai povo bizarro.

No comments: