26.10.05

tragédia de costumes, o retorno

so this is why i tell you
i really do understand:
bye bye! _o/^

eu detesto me acostumar. é terrível o peso que a inércia acaba imbutindo em mim, um dia depois do outro. por mais que eu fique pensando que alguns trechos-de-vida meio que independem dos meus esforços, e são como bônus, que vêm & vão com a maré, quando eu vejo já estou lá, esperando por dentro que seja hoje também, e amanhã também, e depois de amanhã também.

aí parece ainda mais complicado, fazer alguma coisa. digo, outra coisa. fico impressionada como isso funciona até com situações incômodas, já que, teoricamente, é o comodismo que agarra as raízes no chão. o que é bem panaca, porque, se eu penso bem, nem raiz nenhuma eu tenho. por isso eu gosto tanto de ir de um canto pro outro. ou melhor, eu gosto de 'estar' em um canto e outro, porque o 'ir', em si, me cansa & entedia. o me-jogar me atrai [e, mesmo que dê merda, vale a pena (aquela velha história de 'se existe agora, tá okay pra mim')], mas a inclinação até o grau exato que permite a queda me custa muito.

como eu já disse quinhentos milhões de vezes, minha vontade é mais forte que minha força de vontade. por isso o nominho simpático do blogue: eu queria ser tipo a ladymacbeth (só desejo, vontade pulsando sem o ato), mas com uma pitadada de limão ação. e eu ajo, até. com todos os meus interesses esparramados pelo chão e minha sombra se entediando, pulando de parede em parede. o que não impede que eu me acostume. e, ah, como eu me torro quando percebo que acostumei. que acostumei com alguma coisa que pode, e certamente vai, ser tirada de mim.

sinto como se a isso tudo fosse uma reprise alongada daquele dia em que eu tive um troço na padaria, quando o mundo foi se apagando e eu fui ficando mole. num instante a mulher do caixa estava me entregando a nota fiscal, no outro eram milhares de bolinhas pretas morando no ar. no outro, o universo era só eu tateando em busca da nota & concomitantemente escorrendo pro chão. aí, tão rápido como veio, passou. eu levanto - com toda a minha dignidade -, pego meu sorvete de abacaxi e vou correndo pra casa. sixteen, clumsy & shy: that's the story of my life.

No comments: