21.2.05

ahoy

a cobra não tem pé [clap clap]
a cobra não tem mão [clap clap]
como é que a cobra sobe
no pézinho de limão?

me diga, mas por que diabos? diga. diga. vai. descubra. me conte. por quê? eu já cansei tantas vezes que quando eu digo que cansei nem eu acredito mais. pff. mas cansei, tô falando. não sei porquê e nunca vou saber, porque você não vai me contar. porque não é não, sim é sim, mas tem gente incapaz de manusear palavras complexas assim.

(nightly you appear to me, ghostly in my head, but i never can remember what you said. it must be something reassuring, something sweet and kind, something you would never say in real life)

mas que merda, hein.

fico vendo os tempos se trançando e alternando, escorregadios e elétricos como enguias, machucando e pinicando, fugindo, cobrindo de gosma invisível todos os sete mares. penso, nado, afundo, olho as ondas, me esforço mas não ouço sereia nenhuma. quanto tempo até um (outro?) navio afundar e, ahoy, os piratas popularem o chão frio oceânico & me fazerem companhia?

No comments: