25.1.04

"would you please ignore that you
found me on the floor
trying on your camisole?
o alcohol, would you please forgive me?
for while i cannot love myself
i'll use something else"

não, eu não andei bebendo. mas às vezes eu fico tão longe daqui que nem o meu álcool natural me atinge, nada, eu acho.

estou meio doente, febre, dor de estômago. dormi hoje de tarde e eu nunca durmo de tarde. pego meu cadernão, pego uma caneta, e fico parada, olhando pras linhas que se embaralham & desembaralham.

nem fazer as minhas famosas espirais eu faço.

às vezes eu tenho vontade de pedir desculpa pra todo mundo, falar que eu sinto muito pela enorme perda de tempo que se tem quando estão convivendo comigo. vontade de reparar os danos mentais todos, gastando energia, neurônios, lágrimas, confusões.

eu sei que eu não devo nada pra ninguém, se não quisessem, não falavam comigo, não me viam, nem liam isso aqui, que tô escrevendo. que obrigação qualquer um tem de cheirar a minha vida? nenhuma. a vida é minha, só minha. vocês se embolam nela porque querem, sempre dá tempo de fugir. não dá?

sei lá. agora só sinto como se o sentido do mundo fosse dormir, como disse o B.S. não, nem dormir. tá tudo meio sem sal e não sei do que eu tenho fome & sede.

claro, ficar ouvindo músicas deprimentes como hurt não ajuda muito. i wear this crown of thorns / upon my liar's chair / full of broken thoughts / i cannot repair / beneath the stains of time / the feelings disappear / you are someone else / i am still right here.

::suspira, vai deitar::

No comments: